Bem Vindo ao Correio do Oeste - 9 Anos Alimentando Você com Informações Políticas !

ICOM integra estudo da OMS que demonstra a ineficácia de 4 medicamentos contra a Covid

Publicado em: 12/12/2020
ICOM integra estudo da OMS que demonstra a ineficácia de 4 medicamentos contra a Covid

Foto: Divulgação/Sesab

O Instituto Couto Maia integrou a lista de instituições que participam do estudo “Solidarity Therapeutics Trial”, liderado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que tem como finalidade avaliar medicamentos para o tratamento da Covid-19. Resultados preliminares indicam que quatro medicamentos utilizados em pacientes internados com a doença não possuem eficácia. São eles remdesivir, hidroxicloroquina, lopinavir e Interferon beta.

 

O estudo foi realizado em mais de 30 países com 405 hospitais e teve a participação de 11.266 adultos. Estes foram submetidos às substâncias na proporção de: 2.750 tomaram remdesivir; 954, hidroxicloroquina; 1.411, lopinavir, sem Interferon; 651, interferon mais lopinavir; 1.412, apenas Interferon. Outras 4.088 fizeram parte do grupo controle, que não recebeu os medicamentos.

 

O estudo registrou 1.253 mortes. As evidências apontam que os medicamentos desempenharam pouco ou nenhum papel na redução da mortalidade ou no tempo de internação dos pacientes com a Covid-19.

 

Em fevereiro de 2020, um fórum de pesquisa da OMS sobre a Covid-19 recomendou a avaliação de tratamentos em grandes ensaios clínicos randomizados. Grupos de especialistas da OMS identificaram que os quatro medicamentos com potenciais efeitos antivirais utilizados para outras doenças, poderiam ter pelo menos um efeito moderado sobre a mortalidade.  Em março de 2020, a OMS iniciou o ensaio.

 

Ao longo do processo, o teste foi sendo adaptado, as drogas pouco promissoras foram abandonadas e outras adicionadas. Hidroxicloroquina, lopinavir e Interferon foram eventualmente retirados do estudo por não terem apresentado resultados promissores.

 

Embora as drogas testadas não tenham mostrado benefício, o estudo vai continuar utilizando anticorpos monoclonais na continuidade da pesquisa. Com informações da Sesab.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*