Bem Vindo ao Correio do Oeste - 6 Anos Alimentando Você com Informações Políticas !









Cremeb admite pressão para punir prescrição de cloroquina contra Covid-19: ‘Foi politizada’

Publicado em: 19/1/2021

por Jade Coelho

Cremeb admite pressão para punir prescrição de cloroquina contra Covid-19: 'Foi politizada'

Foto: Agência Pará

O Conselho Regional de Medicina da Bahia (Cremeb) vem sofrendo pressão e cobranças para punir médicos que receitem medicamentos e tratamentos para a Covid-19 sem eficácia cientificamente comprovadas. Mas a entidade não pretende ceder.

 

A entidade atribui as reclamações e denúncias nesse sentido à politização das questões que envolvem a pandemia e os medicamentos. “Essa tendência e viés de querer denunciar é porque a coisa foi politizada. Vemos claramente que é um grupo político querendo denunciar o outro. E a gente do Conselho não quer e não vai se envolver”, disse Júlio Braga, cardiologista, intensivista e vice-presidente do Cremeb. 

 

Desde o início da pandemia da Covid-19 no Brasil o tratamento para a infecção se tornou assunto tratado além dos laboratórios, hospitais e consultórios médicos. O tema seguiu a tendência de polarização nacional e também ficou no centro do debate político.

 

A crise sanitária da Covid-19 no fim deste mês de janeiro completará um ano que recebeu a classificação de pandemia. Até o momento nenhum medicamento teve eficácia comprovada cientificamente no tratamento da infecção. No início de dezembro de 2020 os primeiros países do mundo iniciaram a vacinação de suas populações a partir de autorizações emergenciais de agência reguladoras. Mas para quem está doente, e principalmente para os casos mais graves, diversas drogas e protocolos seguem sendo testados.

 

Ainda assim, seguem em discussão o uso da cloroquina, hidroxicloroquina, azitromicina, ivermectina, e outras drogas.

 

O vice-presidente do Cremeb destaca que “medicação sem comprovação científica existem várias”. Ele cita como exemplo chás, remédios usados na área da cardiologia, e até o autoexame de mama, que no Brasil é pautado e sugerido em campanhas à exaustão, amplamente divulgado, mas que, nos Estados Unidos, o FDA, agência reguladora de medicamentos, não recomenda. “Por falta de evidências e possibilidade de causar malefícios. E tem vários, diversos tipos de tratamento na mesma situação”, analisou o médico.

 

Braga argumenta que na prática médica tomar condutas com base em “evidências não muito fortes” é comum. E que no caso na Covid-19, o Conselho defende a autonomia do médico e a discussão de tratamento entre o profissional e o paciente.

 

Segundo ele, a intervenção do Cremeb acontece apenas nos casos em que o profissional recomenda medicamentos visando lucro e enriquecimento pessoal, quando há interesse político, e quando prejudique a população. Os critérios são os mesmos para os remédios já registrados.

 

“Enquanto não prejudicar, quando a pessoa não fizer claramente propaganda com interesse financeiro, mercantilista, quando não tiver fazendo prescrição em massa, não haverá restrição”, explicou Júlio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*