Bem Vindo ao Correio do Oeste - 6 Anos Alimentando Você com Informações Políticas !





PARALISIA E MÁ REPERCUSSÃO DE AÇÕES IDEOLÓGICAS MOTIVARAM MUDANÇAS NO MEC

Publicado em: 13/3/2019

por Paulo Saldaña | Folhapress

Paralisia e má repercussão de ações ideológicas motivaram mudanças no MEC

Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

A paralisa de ações no Ministério da Educação (MEC) e a má repercussão de iniciativas ideológicas estão por trás da dança de cadeiras promovidas na pasta nos últimos dias, que contou com o afastamento de pessoas ligadas ao escritor Olavo de Carvalho.

As exonerações e os anúncios de demissões desencadearam uma crise dentro do MEC. As mudanças expuseram ainda a disputa entre grupos de influência dentro pasta e a própria fragilidade do ministro, Ricardo Vélez Rodríguez, que precisou se desfazer de um de seus assessores mais próximos no fim de semana.

Por causa da crise, o ministro foi recebido pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) na tarde desta segunda-feira (11) no Palácio do Planalto. Vélez também cancelou uma viagem que faria para Israel na terça-feira (12).

Apesar da situação, Vélez manteve as mudanças. Em edição extra do Diário Oficial nesta segunda-feira, oficializou exonerações anunciadas e fez novas trocas, dando força ao grupo de técnicos dentro do MEC.

As conversas para as mudanças na equipe começaram antes do Carnaval. Membros da área executiva da pasta batalhavam para abrir espaço na equipe para profissionais qualificados, no lugar de pessoas que fazem parte do campo ideológico.

O MEC do governo Bolsonaro chegou ao 3º mês de governo sem apresentar programas ou ações importantes. Além da insistência em pautas ideológicas dificultar a atenção nas ações prioritárias -como ocorreu com a crise envolvendo uma carta enviada às escolas com o slogan da campanha de Bolsonaro-, membros do MEC enfrentavam dificuldades até para contratar funcionários para suas equipes.

O episódio da carta, que pedia também a gravação de alunos cantando o hino nacional, provocou grande desgaste interno. Ex-alunos do ministro Vélez Rodríguez, que ocupam três das seis secretarias do MEC, propuseram internamente uma reorganização das equipes.

Os ex-alunos do ministro mostraram preocupação com a imagem de Vélez Rodríguez perante a opinião pública. Diante desse quadro, o ministro concordou em promover as mudanças -não esperava, entretanto, encontrar uma campanha de oposição.

No Diário Oficial de sexta-feira (8), cinco membros da pasta ou de órgãos ligados ao ministério foram dispensados (entre eles, o coronel Ayrton Rippel). No mesmo dia, Olavo de Carvalho publicou mensagem nas redes sociais afirmando que seus ex-alunos deveriam sair do governo.

Olavo de Carvalho, guru ideológico de Bolsonaro e espécie de mentor da nova direita no Brasil, sugeriu ao governo os nomes dos ministros Vélez e Ernesto de Araújo, das Relações Exteriores.

A reportagem confirmou, ainda na sexta, a saída do chefe de gabinete do MEC, Tiago Tondinelli. Advogado, é um dos ex-alunos de Olavo que ocupam cargos-chave na pasta.

Integrantes do MEC relatam que Tondinelli fazia vigia ideológica, entrando em reuniões para as quais não era convidado e interrompendo conversas reservadas. Mas, até então, era uma pessoa próxima do ministro.

Silvio Grimaldo de Camargo, nomeado em fevereiro assessor especial do ministro, escreveu em uma de suas redes sociais, também na sexta, que o MEC promovia um expurgo de ex-alunos de Olavo. Ele próprio é um discípulo do escritor.

“O expurgo de alunos do Olavo de Carvalho do MEC é a maior traição dentro do governo Bolsonaro que se viu até agora”, escreveu. Camargo conta que foi avisado durante o carnaval que seria transferido para outro cargo, na Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), que ele julgou sem expressão. Apontou, ainda, que os círculos técnico e militar estariam por trás da decisão.

O MEC tem sido palco de disputas entre alguns grupos. Há os militares (alguns ligados ao ITA), que ocupam cargos importantes, os discípulos de Olavo, técnicos oriundos do Centro Paula Souza (autarquia paulista que cuida das escolas técnicas) e os ex-alunos do ministro.

Do Centro Paula Souza vieram Luiz Antonio Tozi e Tania Leme de Almeida, secretário-executivo e de Educação Básica do MEC. De perfil mais técnico, ambos têm sido elogiados entre especialistas em educação que foram recebidos no MEC. No entanto, eles também entraram na mira de ataques dos olavistas.

No fim de semana, Olavo de Carvalho e Silvio Grimaldo Camargo voltaram ao tema nas redes sociais e miraram o coronel Ricardo Wagner Roquetti. Eles também apontaram que os militares estariam se opondo ao grupo de olavistas -o que não é confirmado entre generais com influência no governo.

Nas mensagens, Roquetti foi alçado a responsável pela suposta perseguição a olavistas e a ele foi atribuído, por Olavo e por seguidores, todo o episódio da carta para as escolas.

Bolsonaro exigiu no fim de semana que o ministro demitisse Roquetti, que era um de seus assessores mais próximos, e foi atendido no próprio domingo (10).

Roquetti faz parte de um grupo ligado ao ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica). Além dele, o ex-reitor do instituto, Anderson Ribeiro Correia, passou a compor a equipe e é o atual presidente da Capes.

Olavo de Carvalho, muito próximo dos filhos do presidente, chegou a associar as exonerações a movimentações com o suposto objetivo de enfraquecer investigações no ministério. O MEC divulgou nesta segunda-feira comunicado em que reafirma o compromisso de dar prosseguimento ao que o governo batizou de Lava-Jato da Educação. Não há detalhes sobre o que estaria sendo de fato investigado.

O mosaico constituído na equipe de Bolsonaro se deve ao perfil de Vélez. Sem experiência em gestão educacional, ele trouxe ex-alunos para cargos importantes e teve de aceitar a influência de diversos grupos na composição dos cargos.

Vélez foi indicado por Olavo de Carvalho para o cargo e citou o nome do escritor na posse. Apesar de diversas críticas, Olavo de Carvalho fez publicações poupando o ministro.

No início da noite de segunda-feira, uma edição extra do Diário Oficial da União trouxe a exoneração de seis pessoas. Entre os exonerados estavam Tondinelli, Camargo e Roquetti.

Mas a oficialização trouxe o indicativo de fortalecimento, pelo menos por ora, do grupo de técnicos do Centro Paula Souza. Para o cargo de chefe de gabinete do ministro foi oficializada a nomeação de Josie Priscila Pereira de Jesus, que já era do MEC. Josie é oriunda do Centro Paula Souza.

O professor Rubens Barreto da Silva passou de diretor de programas a secretário adjunto da Secretaria-Executiva do MEC. Silva também vem do Paula Souza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*