Bem Vindo ao Correio do Oeste - 6 Anos Alimentando Você com Informações Políticas !









Nos Emirados Árabes, estudantes apresentam projeto sobre recuperação de nascentes

Publicado em: 27/9/2019
As estudantes Brizza Mota e Bruna Palmeira, ambas de 18 anos, que concluíram o Ensino Médio no Colégio Estadual Eurides Santana, em Poções, no sudoeste do estado, estão em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, onde representam a Bahia na Esi Mundi 2019, feira de ciências de prestígio internacional. O evento começou no domingo (22) e prossegue até sábado (28).
Juntamente com a professora orientadora, Lucineide Dias, elas foram credenciadas para a Esi Mundi a partir da conquista do primeiro lugar na Feira Nordestina de Ciência e Tecnologia (Fenecit). O projeto do grupo, intitulado ‘As Nascentes do Rio das Mulheres – Cuidar para não morrer’, foi desenvolvido na unidade escolar no âmbito do Ciência na Escola, promovido pela Secretaria da Educação do Estado para fomentar o fazer ciência em sala de aula.
O projeto tinha o objetivo de sensibilizar a população sobre a importância da preservação das nascentes do rio na cidade de Poções. Outra finalidade era a criação de mecanismos para a revitalização das nascentes, a exemplo da realização de palestras e da participação de audiências públicas sobre a água. Mas o êxito foi bem maior do que elas esperavam. Com o projeto, as estudantes mobilizaram toda a sociedade, órgãos públicos, e conseguiram recuperar nascentes no município.
Com a iniciativa, as estudantes foram premiadas em feiras científicas espalhadas pelo Brasil, a exemplo do reconhecimento de Geocientistas por Excelência, concedido pela Associação para Mulheres Geocientistas (AWG), em 2018. No mesmo ano, conquistaram o primeiro lugar e o prêmio ‘Dez melhores’ da 14ª Fenecit.
Brizza Mota contou que é a primeira vez que viaja para fora do país, mas nem isto é tão emocionante como o reconhecimento de um trabalho. “No evento, não estamos representando apenas a Bahia, mas também o ensino público e, especificamente, as Ciências Humanas, que é uma área pouco valorizada pela comunidade científica”.
Já Bruna Palmeira disse que está vivenciando um sonho. “Isto é muito incrível. Esta é uma das maiores feiras do mundo e nós viemos de uma escola de ensino regular no interior a Bahia. Então, é gratificante estar aqui representando a escola pública e o nosso estado”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*