Bem Vindo ao Correio do Oeste - 6 Anos Alimentando Você com Informações Políticas !







Deputados não têm argumentos para voltar com reeleição na AL-BA, diz líder do PSD

Publicado em: 30/7/2020

por Matheus Caldas / Lucas Arraz

Deputados não têm argumentos para voltar com reeleição na AL-BA, diz líder do PSD

Foto: Reprodução / AL-BA

Dois anos e meio após aprovarem uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que colocou um fim a reeleição para a presidência da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), os deputados estaduais voltaram a discutir o tema nos bastidores do Legislativo estadual.

 

Deputados mais simpáticos a recondução do atual presidente Nelson Leal (PP) no comando da casa passaram a discutir o fim da PEC e o descumprimento do acordo tecido pelo governador Rui Costa que garantiu ao deputado Adolfo Menezes (PSD) à sucessão na casa (lembre aqui). 

 

Líder da bancada do PSD na AL-BA, o parlamentar Alex da Piatã disse que os colegas não teriam como explicar para a sociedade o fim da proposta. “Independente de quem estiver na presidência, considerando que Nelson Leal está fazendo um excelente trabalho, a bancada do PSD é a favor da continuidade da PEC proibindo a reeleição”, disse. 

 

“Nós votamos o tema há dois anos e meio, então não temos motivo para mudar o entendimento. Não temos argumentos para justificar para a sociedade derrubar uma PEC que aprovamos”, completou o líder. 

 

Autor do texto na AL-BA, o hoje senador Angelo Coronel também defendeu a continuidade da PEC no Legislativo estadual. “Todo poder tem que ser oxigenado. Não sou a favor da reeleição. Acredito que todos que estão no parlamento tem a capacidade de gerir os destinos da casa e fomentar a reeleição é tirar o direito do parlamentar de galgar um caminho a esse cargo tão importante”, disse. 

 

Com a reeleição de Davi Alcolumbre (DEM) na presidência do Senado também sendo pautada com a necessidade de mudanças na Constituição, Coronel negou que uma mudança no entendimento sobre reeleição em Brasília possa influenciar a AL-BA. “Os mandatos no Senado são de oito anos, o que faz a situação ser diferente na Câmara e nos estados. Cada eleição é um caso”, completou. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*