Bem Vindo ao Correio do Oeste - 6 Anos Alimentando Você com Informações Políticas !









Cultura: Estudo parcial de impacto da Covid indica que 44% perdeu toda renda na Bahia

Publicado em: 21/7/2020

por Jamile Amine

Cultura: Estudo parcial de impacto da Covid indica que 44% perdeu toda renda na Bahia

Foto: Divulgação

Depois do relatório parcial com os números nacionais da pesquisa “Percepção dos Impactos da Covid-19 nos Setores Culturais e Criativos do Brasil” (clique aqui), foram divulgados, nesta segunda-feira (20), os resultados preliminares da Bahia (confira o relatório).

 

A pesquisa indica que 44,42% dos trabalhadores da cultura na Bahia inscritos no levantamento perderam 100% de sua renda durante a pandemia do novo coronavírus. Para 22,16% dos participantes, não houve alteração, enquanto 19,5% perderam mais de 50%; 13,06% reduziram até 50% e somente 1,91% aumentou a renda em até 50%.

 

Os dados mostram ainda que 52% dos profissionais tiveram como vínculo de trabalho mais recente o autônomo ou informal, enquanto 21,33% atuavam como prestadores de serviço; 16,67% eram servidores públicos e 10% empregados CLT.

 

De acordo com os dados, 29,14% dos participantes do levantamento têm renda mensal de até um salário mínimo; 23,18% recebem de um a dois salários mínimos; 21,85%, dois a três salários mínimos e 13,91% não possuem qualquer renda.

 

No campo participação da renda com o trabalho cultural e criativo na renda familiar mensal, 25,33% informaram não compor a renda familiar, 18,67% disseram contribuir com 40% a 50% do orçamento da família e 12% são a única renda familiar.

 

O relatório contou com a participação de 204 inscritos, sendo 73,5% caracterizados como Indivíduo (Pessoa Física, trabalhador/a) e 26,5% Coletivo (Pessoa Jurídica – incluindo MEI, representante de coletivos ou comunidades). 

 

Ao todo, foram computados dados de pessoas ou coletivos sediados em 67 municípios baianos. Salvador lidera a lista, com 93 inscritos, seguido de Dias d’Ávila (19), Santo Amaro (15), Vitória da Conquista (7) e Feira de Santana (6). 

 


Mapa mostra distribuição dos profissionais entre municípios baianos

 

Os principais setores de atuação verificados na pesquisa foram os de “Artes performáticas, música e celebrações”, representando 40,29% (30,32% indivíduos e 10,97% coletivos); “Artes visuais e artesanato”, com 21,94% (17,42% indivíduos e 4,52% coletivos) e “Patrimônio e cultura popular tradicional”, com 16,13% (10,32% pf e 5,81% coletivos).

O perfil dos trabalhadores baianos da cultura é formado majoritariamente por mulheres, com 52,94%, divididos entre 36,76% indivíduos e 16,18% coletivos. O total de homens é 46,07% (35,78% indivíduos e 10,29% coletivos), enquanto os não-binários são apenas 0,49%. Com relação a cor e etnia, 37,74% se declararam pardos; 37,25% como pretos; 24,25%, brancos e 0,49%, indígenas. Já com relação a idade, a maior parte, 32,35%, está entre 30 e 39 anos.

 

A pesquisa é uma iniciativa de Representação da Unesco no Brasil, Universidade de São Paulo Sesc – Serviço Social do Comércio, Fórum dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Cultura, secretarias de Cultura de Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Pará, Paraná, Pernambuco e Rio Grande do Sul, além da Fundação José Augusto (Rio Grande do Norte) e Fundação de Cultura e Arte Aperipê do Estado de Sergipe. O levantamento ainda está em fase de coleta de informações. Os interessados podem contribuir preenchendo formulário disponível online (clique aqui).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*