Bem Vindo ao Correio do Oeste - 6 Anos Alimentando Você com Informações Políticas !



AGRONEGÓCIO DO OESTE COBRA SOLUÇÕES PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL E ENERGIA ELÉTRICA

Publicado em: 16/3/2015
Agronegócio do oeste pede soluções para licenciamento ambiental e energia elétrica

Foto: Divulgação
Vinte empresários do agronegócio estiveram, nesta segunda-feira (16), em reunião com o secretário de Desenvolvimento Econômico da Bahia, James Correio, e o presidente da Desenbahia, Otto Alencar Filho, e cobrarem melhoria da infraestrutura das estradas, mais energia elétrica e mais celeridade na concessão de licenças ambientais. “O Oeste baiano se destaca como a segunda maior região produtora de grãos do País, com grande produção de algodão e soja, além da pecuária em grande ritmo de expansão. Combinamos que os produtores irão identificar os gargalos e, em contrapartida, o Governo da Bahia irá buscar soluções. Podemos usar os recursos da Sudene, buscar os financiamentos do BNB e negociar créditos de ICMS. A situação é de aperto fiscal, mas, com criatividade, temos que resolver os problemas”, disse o secretário James Correia. Uma reunião envolvendo as secretarias de Desenvolvimento Econômico, Agricultura, Infraestrutura e Meio Ambiente, além de Coelba, BNB e Desenbahia, foi marcada para os próximos dias 9 e 10 de abril, em Cocos e Jaborandi. “A questão da energia é a mais preocupante. Somente em 2014, a nossa empresa gastou R$ 1 milhão com óleo diesel. O secretário James Correia disse que haverá abundância de oferta de energia elétrica na região nos próximos cinco anos. A questão é que nosso problema é para ontem”, explica Dave Broad, gerente da Leitíssimo, o grande laticínio neozelandês instalado em Jaborandi, que irá produzir, neste ano, 13 milhões de litros de leite. A gerente de negócios do Banco do Nordeste, Raquel Maschietto, disse que o BNB tem uma presença constante na região, mas que é importante criar essa força-tarefa para tentar resolver os problemas crônicos da região. “Apesar de ter apenas 7% do número total de agências bancárias na Bahia, somos responsáveis por 55% dos financiamentos no campo. Temos R$ 1,4 bilhão disponíveis para investimentos e esperamos, com esse volume, atender às necessidades dos empresários de Cocos, Correntina, Jaborandi, Luis Eduardo Magalhães, Barreiras e São Desidério”, diz Maschietto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*