Bem Vindo ao Correio do Oeste - 6 Anos Alimentando Você com Informações Políticas !

OZIEL OLIVEIRA APONTA PEDRO PARENTE COMO RESPONSÁVEL PELA CRISE COM CAMINHONEIROS

Publicado em: 02/6/2018

De  volta a prefeitura de Luís Eduardo Magalhães depois de dois mandatos fora do poder, Oziel Oliveira (PSD), tem o histórico político entrelaçado com o munício que ocupava em 2015 a sexta posição do ranking de PIB per capita da Bahia. Eram 55.074,20. Em 2017, a cidade contava com uma população, de acordo com o IBGE, superior às 83 mil. A distância para Salvador, quase mil quilômetros, somado à ocupação sulista promovida pelo agronegócio fez com que a parte rica da cidade pouco se identificasse com o restante do estado, contudo, arrefeceu-se nos últimos anos. A cidade abriga a segunda maior feira da Agroindústria do país, a Bahia Farm Show. Na última semana, a greve dos caminhoneiros provocada, inicialmente, pela política de alta de preços promovida pelo governo Michel Temer e pelo presidente da Petrobras Pedro Parente paralisou a cidade que tem a sua economia ancorada no agronegócio. O prefeito conversou com a reportagem do BNews sobre o adiamento da feira, a greve dos caminhoneiros e respondeu às críticas de sua terceira gestão à frente do município. Confira!

A Bahia Farm Show foi adiada em uma decisão tomada pelo conselho da feira. Houve prejuízos para os organizadores e para o negócio?

Oziel Oliveria: Primeiro, a decisão foi acertada em transferir a feira para a próxima semana. Já que a Bahia Farm Show é a segunda maior feira do Brasil. Tudo o que está acontecendo agora é externo aos participantes da feira. O que está acontecendo no país hoje extravasou as nossas competências. Nos teríamos todas as condições para podermos realizar a feira na data programada, pois ela é planejada com um ano de antecedência. Há um planejamento estratégico, marketing, é vendida e montada tão logo termina a do ano anterior.

Quanto aos participantes e expositores?

Oziel Oliveria: Foi tudo bem alinhado. Houve consenso entre as instituições financeiras que participam da feira e as indústrias. Porque a Bahia Farm é uma feira da indústria. Temos mais de 900 marcas e é uma feira de grande porte. Isso tem uma representatividade muito grande dentro do segmento industrial. Não somente em Luís Eduardo Magalhães em toda MATOPIBA (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) onde estão os nossos braços das revendas.

A estimativa é superar os R$ 1,5 bi em negócios?

Oziel Oliveria: Ano passado nós tivemos este volume de negócios. A expectativa para este ano é ainda melhor porque tivemos uma supersafra e o momento para agronegócio ainda é muito bom. Nós sabemos que o país vive um momento de dificuldade, porque o caminhoneiros, por exemplo vivem um momento muito difícil. A cadeia do agronegócio é muito grande e um elo quebrou. Está sentindo dificuldades.

Já conseguem estimar o prejuízo com a paralisação?

Oziel Oliveria: Hoje ainda não temos este cálculo. Se estimava que (a greve) duraria três ou quatro dias e já estamos no oitavo (concedeu a entrevista na segunda-feira 28). O que impacta na nossa economia é que grande parte da nossa formação de preço para agricultura é baseada no preço do petróleo e isso também já vinha demando uma atenção para o alto custo. Este ano é atípico porque tivemos alta produção, com outros fatores que nos ajudaram muito foi a valorização das commodities no mercado internacional. Isso nos carregou para cima. No entanto, o óleo diesel tem um impacto muito grande na cadeia de produção. Toda a nossa produção depende do diesel: o trator, a colheitadeira, o transporte logístico todo no caminhão. Como a cadeia é grande, apenas parte dela é dos produtores, o setor de transporte tem sentido muito. Os reajustes diários no preço do diesel causaram um efeito devastador em toda a atividade econômica.

O senhor atribui esta política ao atual governo?

Oziel Oliveria: Com certeza. A política adotada pelo presidente (Michel) Temer, levando para a presidência da Petrobras, Pedro Parente, é um desastre para a nação. Nós não podemos, num país que é totalmente agrícola, onde nós já representamos mais 40% do PIB nacional, ter o petróleo como base de produção aumentando quase todo dia. Esta política da Petrobras é completamente errada para diversos setores, inclusive agora impactando não somente a produção de grãos, como também transporte e o gás de cozinha que impacta na vida de todos os cidadãos. Esta política não tem como ser suportada pelo brasileiro. A política da Petrobras atualmente é devastadora da economia nacional e com certeza só poderia chegar onde chegou. Não podemos ter uma operação dolarizada para um povo que vive em real. Levando a falência das empresas e na Bahia se perdeu uma fábrica de um componente que é importante é que ureia. Nós sabemos como isso é importante, sobretudo, para o nordeste. Pedro Parente está tomando decisões que quem está pagando é o povo brasileiro e a agricultura é o único setor que vem arrastando a economia e exportação na nossa balança comercial.

Os centros comercias em LEM apoiaram a greve? Como é que a prefeitura viu este movimento?

Oziel Oliveria: Tenho visto que toda a população convive e depende de certo modo deste setor. A nossa economia tem esta matriz. Para chegar na agroindústria tem a fase primaria que é a agricultura. Todo o processo gira em torno disso. O comerciante, o trabalhador e setor público vivem disso. Nossa receita vem deste setor. Estamos desde as primeiras reuniões nas quais o caminhoneiros externavam que não estavam aguentando os custos. Quando começou esta política do presidente Temer, nos últimos dois anos, dobrou o preço do combustível. Chegou a hora que eles não aguentam mais trocar os pneus do caminhão, o caminhão e tampouco a manutenção. Foi procurado uma forma de ter um manifesto para mudar este processo. Aqui em Luís Eduardo já nasceu grande. O setor de transporte aqui é muito pesado, nós exportamos para mais de 40 países no mundo, e é tudo transportando nos caminhões. Quando houve a paralisação nós do setor público demos apoio assim como toda a população. Diariamente damos suporte com alguma estrutura. As BRs não foram fechadas. Trânsito de animais vivos, rações, combustível para o transporte público e carros de passeio não foram parados; O governo fragilizado não consegue ter credibilidade. Tem que se encontrar uma solução que talvez não seja neste governo.

Outra coisa possível de ser observada em Luís Eduardo foi o apoio à intervenção militar panfletado em carros e caminhonetes de luxo pela cidade. Isso não lhe preocupa?

Oziel Oliveria: Preocupa. Todos os brasileiros precisam se preocupar com isso. Parece que as pessoas não sabem o que é uma intervenção militar. Nós precisamos lutar para que tenhamos uma evolução democrática. Fortalecer a democracia é o caminho e não o que vi hoje em todo o Brasil que é uma parte colocando isso nos seus carros. Há uma parte da população que não passou por este período, como eu passei e outras pessoas, e o processo de democratização foi construído com muito sacrifício. Nós precisamos fortalecer a democracia. Este é o caminho. A redução dos impostos, menos cargos públicos e mais investimento do governo federal, estadual e municipal são saídas para esta crise. Governo menor e forte.

 

O senhor conversou com os caminhoneiros?

Oziel Oliveria: Esse movimento vai servir para que muitos que estão poder e os analistas políticos reflitam sobre este ponto de mudança. Temos uma eleição a pouco meses e a população desacreditou tanto na condição de se tocar o país que você vê este tipo de manifesto do qual, reforço, sou totalmente contrário. Tenho conversado com as pessoas e muita das pessoas são jovens que não passaram pelo processo da ditadura militar e não sabem o que estão falando.

Como é que a saúde financeira de LEM?

Oziel Oliveria: Muito bem. Nós temos uma economia forte. Vivemos as dificuldades que todos os municípios vivem até porque encontrei a prefeitura com uma folha muito alta. Foi feito um gerenciamento de toda a folha mantendo um quadro adequado. Estou fazendo investimentos e com todas as dificuldades que este ano estão acometendo a todos os municípios estamos seguindo. A média do PIB há dois foi muito pequena e continua pequena e isso traz redução das transferências da União. Temos perdido participação do FPM (Fundo de Participação dos Municípios). Perdemos 39% nos primeiros três meses. Mês de abril 13% e o tesouro nacional já noticiou à prefeitura a perda de 20% no mês de junho e 19% em julho. Isso preocupa porque temos uma cidade jovem que precisa de investimento e quando a própria União reduz assim nós precisamos aqui fazer um planejamento muito preciso para organizar nossas metas e cumprir o que determina LRF e manter o investimento em outras áreas.

Chegando aqui conversamos com taxistas e outras pessoas que moram e se queixaram muito da falta de asfaltamento. Tem problema?

Oziel Oliveria: Procede a reivindicação. Como eu disse, a cidade está sendo construída ainda. Para se ter uma ideia estamos tocando 200 mil m³ de asfalto. Estamos investindo em equipamentos. Tocamos várias frentes de obras. Estamos fazendo saneamento básico, asfaltamento com recursos próprios e outras. Pela demanda de uma cidade grande, com quase 100 mil habitantes, a infraestrutura é a principal demanda. Estamos fazendo asfaltamento com qualidade de longa durabilidade. As obas de grandes porte estão sendo tocadas. Mesmo assim, a comunidade pede ainda mais e nós vamos fazer no período em que estivermos na prefeitura.

Falaram também de demissões na área da Educação e perseguição política.

Oziel Oliveria: Jamais. Não trato a política desta forma. Se fosse assim, não estaria no meu quarto mandato. Estou no meu terceiro mandato de prefeito e fui deputado federal. O que ocorre é que todo ajuste da máquina administrativa vem de processo seletivo e o que tem se feito são adequações. Preciso pagar em dia e enxugar. Redução de 40 professores foi adequação técnica. Colocar professor concursado. Vale ressaltar que eu já encontrei a folha com mais de 54% e que precisei adequar à lei. Meu trabalho é fazer gestão. 51% é minha meta para fazer investimento.

Como é relação com o governo estadual? Ele tem atendido.

Oziel Oliveria: O governador Rui Costa é um homem comprometido com a gestão e tem feito investimentos importante aqui em LEM e em toda a região Oeste. Tem investido em várias áreas como segurança, saúde e buscado interagir com o setor empresarial.

 

 

Via; BNews

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*