Bem Vindo ao Correio do Oeste - 6 Anos Alimentando Você com Informações Políticas !

FOLHA: “ERA UMA CILADA, DOUTOR!”

Publicado em: 09/7/2018

Moro é apenas o menino pau-mandado do patronato brasileiro, as chamadas zelites!

A coluna Painel da Folha analisa o “quid pro quo”, conhecido em português como quiproquó, das marchas e contra-marchas da Justiça Federal no dia de ontem:

Era cilada, doutor

Diante da barafunda criada pelo pedido extemporâneo de soltura de Lula, integrantes de tribunais superiores chegaram a duas conclusões: 1) a decisão em que o desembargador Rogerio Favreto mandou libertar Lula estava errada e 2) o juiz Sergio Moro escorregou numa casca de banana atirada pelos petistas ao reagir à ordem. Para ministros do STJ e do STF, o PT conseguiu expor o voluntarismo de Moro, reforçando a tese de que ele não é imparcial nos casos do ex-presidente.

Arapuca 

Para os ministros, o PT obteve a única vitória de médio prazo possível: fazer Moro errar. Na avaliação deles, o juiz pisou em falso ao ordenar que a PF não cumprisse a ordem de soltura, em afronta à hierarquia do Judiciário, e quando mobilizou outros juízes do TRF-4 para derrubar a decisão.

Arapuca 2 

Segundo relatos, Moro chegou a ligar para o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, para argumentar contra o cumprimento da decisão de Favreto.

Arapuca 3 

Para os ministros do STJ e do STF, mesmo que a ordem do desembargador tenha sido teratológica, Moro errou ao se insurgir. Sua posição será explorada em ações no Conselho Nacional de Justiça e pela defesa de Lula nos recursos às cortes superiores.

Se saísse, voltava 

É ponto pacífico para esses ministros que a sentença do desembargador que tentou soltar Lula cairia rapidamente ao ser analisada no STJ, por exemplo.

No meu singelo entendimento, Moro, provou ontem, que não é o juiz de primeira instância da Operação Lava Jato. Ele é apenas o relés carcereiro de Lula, a mando dos interesses do patronato e dos estrangeiros, interessado nas terras, águas, minérios, petróleo e na infraestrutura do País.

Extraído de O EXPRESSO LEM de Carlos Alberto Reis Sampaio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blue Captcha Image
Atualizar

*